• O Novo experimento de Moodlocustus

    Nov 9 2011, 18h29

    Leia o artigo completo em: http://moodlocustus.webs.com/apps/blog/show/9949566-o-novo-experimento-de-moodlocustus
    Read the full post on: http://moodlocustus.webs.com/apps/blog/show/9949566-o-novo-experimento-de-moodlocustus

    Bem vindos de volta ao meu site iphunks! [8)]

    Experimento em lan house eh a mais nova musica de Moodlocustus e pertence ao EP Psicotrônico Xpansion Pack uma expansao do album Psicotrônico, eis o cover do novo EP abaixo:


    Como eh de praxe licenciei a musica com a Creative Commons.

    Como o proprio nome sugere a musica foi produzida em uma lan house, isto mesmo, numa lan house daquelas que o iphunk usa para jogar online! E conta tambem com um tutorial explicando como ela foi feita.

    Eh dificil classificar a musica Experimento em lan house, eu diria que eh uma especie de futurepop, "oitentista", experimental. Me digam o que acham iphunks!

    Este eh o Codigo QR de download do album, imprimam e distribuam para os amigos:

    qrcode

    A musica foi produzida com o auxilio de um software chamado making waves studio que o iphunk podera baixar clicando aqui (clique com o direito, salvar como).

    Primeiro o iphunk ira ler este tutorial em ingles do making waves studio.

    Agora vamos baixar o projeto da musica clicando aqui.

    Agora vamos baixar nossa copia do software "Making Waves Studio" e instala-lo no nosso PC para que possamos abrir o projeto. Clique aqui para baixar o "Making Waves Studio".

    Depois de instalado o demo abra o programa, va em "file", "open" e procure o arquivo "Experimento em lan house.trk" que esta na pasta do projeto da musica que o iphunk baixou anteriormente.

    Aberta a musica vamos as explicacoes:

    Estes sao os controles principais do MWS, parece muito com um software player de mp3:


    Como os iphunks podem perceber o MWS conta com um piano roll similar aos das mais famosas DAWs (FL Studio, Cubase, Ableton, etc...). O snare (caixa) da musica foi elaborado como um acorde de 3 notas para dar mais presenca no som, algo como trabalhar em camadas de som, como visto em http [:/] /www.felippesenne.com/tutorial-camadas-de-snares/ porem ao meu modo. [8)] No canal dos Snares coloquei tambem um efeito gated reverb a moda dos anos oitenta, como visto em http [:/] /jarriermodrow.com/musica-eletronica-pop-dos-anos-80-e-maneiras-de-produzir-esses-sons.

    Como os iphunks podem conferir na proxima imagem o MWS possue um editor de samples integrado onde pode-se configurar a altura do som, loop, o modo de execucao, etc...

    Clicando no quadradinho "play mode" vc configura o som para tocar com notas, percursao, etc...

    Ativando a luzinha do "timescretch" vc pode configurar as bpms do sample assim como o modo como serao executadas. Faca muitos experimentos com estas conficuracoes para adquirir intimidade com estes controles.

    Eis aqui a janelinha de configuracao de bpms de sample loops.( Nao confundir com a configuracao de bpms do projeto em si que fica abaixo do menu "utilities").

    Clicando no icone da lupinha encostado na barra de tarefas do windows o iphunk tera uma visao da construcao de loops e patterns da musica que pode ser ampliado em 2x, 3x e 4x. Use estes controles para visualizar e ajudar na edicao do seu projeto.

    O MWS tambem tem suporte a plugins vst e dx. Va em "settings", "plugins" e aparecera uma janelinha como a vista abaixo, eh soh dar "ok" que o MWS escaneara os plugins presentes na pasta de plugins do software.

    Configuram se as notas como em um software tracker, abra o piano roll e clique duas vezes na nota desejada. Aparecera uma janelinha de configuracao ao modo de um Modplug Tracker ou Renoise da vida, a proposito o iphunk editara toda melodia de cada faixa deste modo.

    Eis um acorde dissonante da musica no piano roll do MWS maximizado. Para editar a duracao da nota clique onde quer cortar o som com o direito do mouse.

    No caso desta musica optei por editar a cancao em duas partes pois estava em uma lan e o tempo urgia. kkkkkkkkkk [:lol:]

    Veja como abrir a janela de mixagem do MWS:


    Os plugins usados foram os que vieram com o programa como o Classic reverb e o free alpha que vc confera abaixo:

    Lembre-se sempre de ir no menu "utilities" ""set maximum level" para nao danificar a sua placa de som. O MWS suporta a placa asio e o driver asio4all (afinal eles nunca fizeram mal a ninguem! hueshhueshhueshhueshhuesh, "suporta", "nunca fizeram mal", entenderam? eu sou demais!). [:P]

    Logo abaixo o iphunk visualiza o "Drum/percursion editor " do progama,

    que pode ser configurado para ter de 2 a 32 medidas e ateh criar batidas 3/4.

    Criei o singelo vocal em um software online chamado vozme, um speech syntetiser que "fala" varias linguas incluindo o portugues. Como visto em http [:/] /jarriermodrow.com/conversores-de-texto-para-voz

    Ja a percursao da musica foi criada num "máquina de ritmos" virtual free chamada Hammerhead Rhythm Station que vc ve abaixo.

    Como eu fiz pro bass line nao brigar com o kick? Simples, um fica mudo enquanto o outro toca. Observe a construcao do bass line na imagem abaixo:

    A propositovamos conferir algus tutoriais sobre o tal do kickdrum:

    http [:/] /www.felippesenne.com/tutorial-em-busca-do-kick-perfeito/

    http [:/] /www.felippesenne.com/tutorial-criando-camadas-de-kicks/

    http [:/] /soundshiver.com/2011/02/13/tutorial-equalizando-kick/

    Para carregar seus vsts, vstis, samples, acapellas, etc... no soft basta clicar na pastinha que se encontra proxima a barra de tarefas do windows, abrira um navegador de arquivos onde o iphunk visualizara os seus synths, samples como pode ser visto abaixo.

    Na figura vemos carregado o plugin vsti "morpheus".

    Editei as automacoes como mostra a figura a seguir:

    no entanto elas tambem podem ser editadas assim:

    O iphunk pode exportar a musica em .mid, .mp3 ou .wav configurando a qualidade do arquivo como pode ser visto abaixo:

    Agora eh soh esperar para que o arquivo seja criado. O iphunk pode esportar tanto um mp3 ja masterizado no soft quanto as faixas .wav em separado para posterior mixagem e masterizacao em outro programa.

    Os iphunks conferem e baixam gratuitamente a musica Experimento Em Lan House clicando aqui, ou podem baixar o mp3 de 320kbps acessando o link a seguir:

    http [:/] /www.paywithatweet.com/pay/?id=ab9edff50fbf897cf96273e7f09bd84c

    Iphunks. tirem suas duvidas nos comentarios.

    Baixem, divulguem, compartilhem, rettwetem, curtam, comentem iphunks! [:)]

    Licença Creative Commons
    A musica Experimento Em Lan House de Moodlocustus foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
    Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em http [:/] /moodlocustus.webs.com.
  • Psicotrônico@ Eletrônica Brasil Netlabel: Novo album virtual

    Jul 29 2009, 8h29

    Psicotrônico@ Eletrônica Brasil Netlabel: Novo album virtual
    Ja que ces demoraram pra me mandar os seus barulhos, decidi lancar meu album Psicotrônico. as musicas vao sendo postadas aos poucos no meu site na trama virtual em formato mp3 (e em breve em outros formatos e sites, inclusive os loops e samples no overmixter pra galera remixar!)
    Clique aqui para baixar gratuitamente:
  • Sugestão de software para musicos

    Jul 1 2009, 6h55

     Ok essas sao so umas ideias que eu andei tendo sobre como menbros de bandas que moram distantes uns dos outros pudesem colaborar entre si trocando sample, gravacoes, presets etc..
    A ideia surgiu com uma conversa pelo msn com meu amigo e companheiro de banda Caio Henrique, trocavamos samples para compor as novas musicas do www.myspace.com/guysofgomorra
    (nossa banda) . Precisamos trocar samples e arquivos rapido e, as vezes, o som nao era exatamente o que nos estavamos pensando, era preciso refazer tudo do inicio.
    Testei entao alguns softs para composicao on-line mas nao faziam o que eu queria e nescecitavam de banda larga para funcionar  .
    Eu queria um soft nos moldes do msn e skype para troca de mensagens e arquivos que tambem pudesse abrir e editar os arquivos baixados atraves do acesso aos softs instalados .
     Uma lista completa de funções ideais (eu estou aberto a sugestões) seria:

    1- Suporte e player de diversos formatos (sf2, dls, pat, rex, mid etc....)
    2-Funciona em net discada, nao é pra jam session, é so pra troca de inspirações e samples
    3- Acessa os softs instalados no seu hd para edição e visualizacão de arquivos, por exemplo: um arquivo xrns (renoise) seria aberto pelo renoise assim que o download fosse concluido, aquivos wav poderiam ser editados no soundforge ou wavepad, etc...
    4-Piano roll e editor de midi para editar notas sem precisar abrir nenhum soft.
    5- Opção para upar as musicas salvas e samples para uma lista de sites pre-configurados.
    6- Integração com o site www.msplinks.com/MDFodHRwOi8vd3d3Lm92ZXJtdW5kby5jb20uYnIvb3Zlcm1peHRlci8=
    7- Editor de partituras e tablaturas integrado.
    8-Executa plugins de instrumentos virtuais (vstis por exemplo) em modo stand alone para testar presets, patches, etc...
    9- Alguns efeitos pre configurados no player do soft tambem viriam a calhar(coisa basica, reverb, flanger, distortion, etc...)
    Evidentemente o player do soft ira tocar os arquivos editados no piano roll e sons midi poderam ser substituidos pelos instrumentos virtuais.
     Bem, estas são minhas sugestoes. TAlves um baterista ou um guitarista tivessem mais indicações a acrescentar, COMENTEM
    www.msplinks.com/MDFodHRwOi8vZS1pbmRpZS53ZWJub2RlLmNvbQ==[
  • Dicas para divulgar seu som na net

    Jun 24 2009, 8h44

    Para quem ja produz musica eletrônica a algum tempo pode achar complicado se fazer notar na web em meio a tantos novos artistas, reuni aqui algumas dicas interessantes que iram ajudar nesta tarefa. muitos desses macetes foram aprendidos na base da tentativa e erro, os outros truques foram desenvolvidos(leia-se copiados) a partir de exemplos bem sucedidos.
    Artigo retirado do site E-Indie, visite e divulgue seu som lá!
    Se voce tem perfil no myspace upe suas musicas em 96 kbps. não adianta o arquivo ser maior que isso, o upload só vai demorar mais e o myspace vai reduzir a 96 kbps do mesmo jeito.
    Seja bonzinho! Disponibilize musicas gratuitas pro pessoal baixar. Um link de download de mp3 é um otimo presente de boas vindas para novos pedidos de amizade.
    Add muito! mas não va adicionando ao bel prazer,. Use a ferramenta de busca do site onde está hospedado o seu perfil para procurar pessoas de mesmo gosto musical e adicione-as deixando uma amostra do que você pode fazer(vide dica anterior)
    Atualização é a alma do negocio! Seja qual(is) for(em) seu(s) perfil(is) na net atualize- o(s) sempre. alguns sites como o aralie e o purevolume promovem os perfis mais atualizados em sua pagina inicial, outros como o myspace bombam em pedidos de amizade a cada nova atualização.
    Participe ativamente de foruns e comunidades, fique antenado com o que está acontecendo e procure ajudar e responder sempre quem precisa. Por exemplo: se voce é usuario do pro tools e conhece bem o programa voce podera usar este conhecimento para tirar duvidads de outros usuarios do programa. Ponha o link de seu site/blog/profile no final do post e voilá
    Meus idolos, meus contatos. Se suas bandas/projetos favoritos tem um profile no mesmo site que voce nao hexite em adiciona-los como amigos, mande uma mensagem explicando como o som deles influenciaram o seu trabalho, muitos desses artistas costumam a ser bem solicitos e atenciosos com os fãs. Só não espere que o Moby vá te dar um tutorial de automação.
  • Kaparao sampleia Cyber Loreley e Lamentos

    Mai 3 2009, 13h49

    Kaparao tambem conhecido como Cosimo Palombella

    postou no overmixter os remixes
    passeando na lua (police)

    que sampleia a minha musica Lamentos
    In your eyes (Peter Gabriel)


    que por sua vez usa samples da minha musica Cyber Loreley

    As musicas ficaram show de bola! e os samples estao irreconheciveis (eu que fiz as originais num reconheci! rueshrueshruesh!)
    Quem quiser pode baixar as musicas gratuitamente:

    baixar passeando na lua

    baixar In your eyes

    Se quiser saber mais sobre Kaparao visite seu site clicando aqui!

    Em tempos ambas as minhas musicas (Cyber loreley e Lamentos) contam com a participacao especial da maravilhosa Camila Santo

    nos samples vocais.



    Locust
  • Muito Gelo e Dois Dedos D'Água

    Mar 7 2009, 8h47

    Duas mulheres decidem se vingar da avó, que durante a infância delas as atormentava com conceitos rígidos sobre etiqueta e educação, sequestrando-a e levando-a para a casa de praia da família.

    Roberta (Mariana Ximenes) e Suzana (Paloma Duarte) são irmãs e nutrem um desejo de vingança em relação à avó (Laura Cardoso), que as atormentava na infância com suas idéias rígidas em relaçao à educação das meninas. Elas decidem sequestrar a avó e levá-la para a casa de praia da família. Renato (Ângelo Paes Leme), advogado amigo de Roberta, as acompanha, mas não sabe que a avó está no porta-malas. Francisco (Thiago Lacerda), médico e marido de Suzana, também as acompanha, convencido de que a esposa está usando entorpecentes.



    Com muito gelo e dois dedos dágua. É assim, como no título do novo filme de Daniel Filho, que Roberta (Mariana Ximenes) pede os seus uísques. Ela diz que não gosta do sabor, só do efeito. Não é apenas a sua bebida que acaba diluída. O próprio filme procura o porre rápido e não sabe curtir o momento.

    A embriaguez é visual. Começa na sequência de abertura, com a rotoscopia, processo de desenhar sobre fotogramas, como nos filmes de Richard Linklater. Roberta ainda é nova nessa época, fica traumatizada por ser a garota sensível da escola que não se enquadra nos padrões. Ela conta na aula que suas últimas férias foram iguais às anteriores, não haveria porque escrever uma redação nova. Corta para os vinte e poucos anos, os desenhos na tela se desfazem - Roberta se une à irmã, Suzana (Paloma Duarte), para se vingar da culpada por todos os seus males de adolescência: a avó.

    O plano é dopar a velha, interpretada por Laura Cardoso, e levá-la para um fim de semana na praia, aos moldes dos pesadelos da infância: bronzeado forçado, para ganhar viço, depilação e escova de alisar, porque cabelo demais não é coisa de menina direita, e alicate de cutícula, para embelezar as unhas. As netas vão à desforra, e que comece a tortura. Esse tipo de humor negro não é incomum nas obras do casal de roteiristas Fernanda Young e Alexandre Machado, criadores de Os Normais. Também não é difícil enxergar em Roberta a revolta de Fernanda Young contra a ditadura da beleza. Um filme que se esboça fashionista-esquerdista, por assim dizer.

    Seria ótimo se a marcação de território do filme parasse aí, na mistura de drama e humor desse conflito de gostos e gerações. Mas a embriaguez visual - que a esta altura já passeou também por deformações anatômicas via computação gráfica, cortes rápidos, sobreposição de planos e outros deslumbramentos de pós-produção - é também uma bebedeira narrativa.

    E as referências são várias - vão desde acordes de John Williams que associam Thiago Lacerda ao Super-Homem, passando por citações da contracultura (psicodelismo versus nostalgia da ditadura), pela chanchada oitentista (com direito a nudez descompromissada e perseguição à la Trapalhões), por dramas de mãe e esposa, até chegar a uma piadinha de Hannibal Lecter. Fica evidente a opção de Daniel Filho pela comédia escrachada, nada contra isso, mas essa opção acaba anulando o miolo dramático que se ensaiava no começo.

    Pode ser um problema dos roteiristas: não é fácil, vindo do imediatismo de séries de TV, labutar a psicologia de um personagem numa película de uma hora e meia. E é evidente que Young e Machado sabem mais de tiradas momentâneas do que de dramaturgia. Mas pode ser também instabilidade na direção: há um objetivo a ser alcançado, que é entreter a platéia, e criam-se paliativos os mais variados, visuais e textuais, para chegar rápido a esse porre. No meio de caminho se perdem boas idéias - como a própria premissa em si. A vingança cede lugar a resoluções sentimentais e românticas de última hora.

    E a avó fica lá, largada ao sol - que aliás é uma cena bem boa, pelo que ela tem implícito de sadismo e estética. Sadismo e estética, aí está, são duas coisas que se cruzam freqüentemente e poucas vezes são analisadas num filme. Muito gelo e dois dedos dágua poderia ter enveredado por esse caminho - um rumo que, afinal, se insinua desde o momento em que a Mariana Ximenes ganha a tela com as sobrancelhas apagadas com tintura. Pena que o filme tenha optado pela facilidade da palhaçada. Mesmo porque essa prateleira já está lotada.

    * Mariana Ximenes .... Roberta
    * Paloma Duarte .... Suzana
    * Ângelo Paes Leme .... Renato
    * Thiago Lacerda .... Francisco
    * Laura Cardoso .... avó
    * Aílton Graça .... Sargento Nelson
    * Matheus Costa .... Thiago
    * Carla Daniel .... Cleuza
    * Márcio Vito .... executivo

    * As filmagens foram realizadas nas cidades de Maceió e Piaçabuçu.
    * O carro utilizado nas filmagens foi posteriormente sorteado, em promoção realizada no Cinemark.
    * O filme foi exibido no Festival do Rio 2006.[youtube]http://www.youtube.com/v/ouMEInT4BdU&hl[/youtube][youtube]http://www.youtube.com/v/-NG3ITI6iaw&hl[/youtube]
  • musica eletronica

    Mar 5 2009, 5h18

    Por definição, música eletrônica é toda música criada através do uso de equipamentos e

    instrumentos electrónicos. Entretando, a partir da grande popularização da chamada musica

    dance a partir da década de 1980, esta passou a ser considerada para ela e o público em

    geral como sendo música eletrônica.



    Música eletrônica é toda música que é criada ou modificada através do uso de equipamentos e

    instrumentos electrónicos, tais como sintetizadores, gravadores digitais, computadores ou

    softwares de composição. A forma de composição é geralmente intuitiva
    Por sua história passou de uma vertente da música erudita (fruto do trabalho de compositores

    visionários) a um elemento da música popular, primeiramente bastante relacionado ao rock e

    posteriormente discernindo-se como um gênero musical próprio (originando assim a chamada

    Dance Music nos sub-estilos como o techno, acid, house, trance e drum 'n' bass,

    desenvolvidos a partir do auge da música disco no final da década de 1970). Actualmente

    existem várias ramificações do estilo, tanto eruditas como populares.

    Originalmente relutada por ter sua tecnologia evoluída muito mais rapidamente que sua

    estética, só passou a ter princípios e tradição após a Segunda Guerra Mundial, com o

    trabalho de franceses na música concreta e de alemães na Elektronische Musik.



    A musica Dance

    O estilo passou então de uma mera ferramenta para os músicos diversificarem e desenvolverem

    novos sons e timbres musicais apoiando-se em outros estilos musicais para ganhar uma cena

    própria. Com o sucesso da música disco, que atingiu seu auge entre 1977 e 1979 em parte

    devido ao filme de 1977 "Saturday Night Fever", a década de 1980 e décadas seguintes na

    música eletrônica foram marcadas pelo surgimento da música eletrônica dance, levando ao

    desenvolvimento de novas ramificações como o techno, o house e o trance. A música eletrônica

    torna-se a partir de então, além de um estilo musical, um estilo de vida marcado pelas raves

    (eventos sociais de elevação de consciência baseados em música eletrônica) e pelos DJs.

    O desenvolvimento do techno em Detroit e house music em Chicago na década de 1980, além do

    acid house no Reino Unido no início da década de 1990 aceleraram o desenvolvimento e a

    aceitação da música eletrônica na indústria da música, introduzindo a música dance às casas

    noturnas. A composição eletrônica pode seriar ritmos mais rápidos e precisos que os criados

    pela percussão tradicional, além de oferecer a possibilidade de misturas e adição de outros

    elementos como instrumentos musicais tradicionais e vocais. O estilo desenvolveu-se de

    tamanha maneira a tornar-se comercialmente acessível que mesmo artistas pop chegaram a

    compor usando o estilo, como o álbum Ray of Light da cantora estado-unidense Madonna.

    Destaque para os álbuns Music for the Masses de Depeche Mode e Power, Corruption and Lies de

    New Order, que se tornaram álbuns chaves no desenvolvimento da música eletrônica em geral.

    Alguns generos dance(mudou a tecnologia! novos generos surgem, portanto esta lista nunca

    sera completa)
    Sub-gêneros

    origem começo Outros estilos associados
    Breakbeat (1) Nova Iorque; (2) Inglaterra (1) início da década de 1970; (2)

    meados da década de 1990 techno, hip hop, dancehall
    Dance music Europa década de 1980 pop
    Downtempo
    raízes na década de 1970, mais evidenciado na década de 1990 dub, hip hop, jazz,

    funk, soul, drum and bass, música ambiente, bossa nova, pop
    Drum and bass (Jungle) Londres e Bristol início da década de 1990 breakbeat,

    techno, hip hop, reggae, dancehall, jazz
    Electro Detroit, Bronx, Nova Iorque, Los Angeles início da década de 1980

    synthpop, música disco, funk
    Hardcore Europa final da década de 1970 Happy Hardcore, Hardstyle, New Style

    Hardcore, Jumpstyle, Noisecore, Speedcore, Terrorcore, Trancecore
    House Nova Iorque, Chicago, Londres, Manchester década de 1980 electro, funk,

    disco, synthpop, soul
    Música ambiente Europa década de 1970 Krautrock, música erudita do século XX
    Música industrial Londres, Sheffield, Alemanha, Vancouver, Cleveland, Chicago

    início da década de 1970 música concreta, Fluxus, Noise
    Techno Detroit década de 1980 electro, industrial, synthpop, house, minimal
    Trance França, Alemanha, Países Baixos, Bélgica e Reino Unido início da década de 1990

    techno, house, industrial
    Trance psicadélico Goa, Reino Unido, Israel, África do Sul meados da década de

    1990 música psicadélica, industrial, acid housefonte wikipedia
  • musica eletronica

    Mar 5 2009, 5h18

    Por definição, música eletrônica é toda música criada através do uso de equipamentos e

    instrumentos electrónicos. Entretando, a partir da grande popularização da chamada musica

    dance a partir da década de 1980, esta passou a ser considerada para ela e o público em

    geral como sendo música eletrônica.



    Música eletrônica é toda música que é criada ou modificada através do uso de equipamentos e

    instrumentos electrónicos, tais como sintetizadores, gravadores digitais, computadores ou

    softwares de composição. A forma de composição é geralmente intuitiva
    Por sua história passou de uma vertente da música erudita (fruto do trabalho de compositores

    visionários) a um elemento da música popular, primeiramente bastante relacionado ao rock e

    posteriormente discernindo-se como um gênero musical próprio (originando assim a chamada

    Dance Music nos sub-estilos como o techno, acid, house, trance e drum 'n' bass,

    desenvolvidos a partir do auge da música disco no final da década de 1970). Actualmente

    existem várias ramificações do estilo, tanto eruditas como populares.

    Originalmente relutada por ter sua tecnologia evoluída muito mais rapidamente que sua

    estética, só passou a ter princípios e tradição após a Segunda Guerra Mundial, com o

    trabalho de franceses na música concreta e de alemães na Elektronische Musik.



    A musica Dance

    O estilo passou então de uma mera ferramenta para os músicos diversificarem e desenvolverem

    novos sons e timbres musicais apoiando-se em outros estilos musicais para ganhar uma cena

    própria. Com o sucesso da música disco, que atingiu seu auge entre 1977 e 1979 em parte

    devido ao filme de 1977 "Saturday Night Fever", a década de 1980 e décadas seguintes na

    música eletrônica foram marcadas pelo surgimento da música eletrônica dance, levando ao

    desenvolvimento de novas ramificações como o techno, o house e o trance. A música eletrônica

    torna-se a partir de então, além de um estilo musical, um estilo de vida marcado pelas raves

    (eventos sociais de elevação de consciência baseados em música eletrônica) e pelos DJs.

    O desenvolvimento do techno em Detroit e house music em Chicago na década de 1980, além do

    acid house no Reino Unido no início da década de 1990 aceleraram o desenvolvimento e a

    aceitação da música eletrônica na indústria da música, introduzindo a música dance às casas

    noturnas. A composição eletrônica pode seriar ritmos mais rápidos e precisos que os criados

    pela percussão tradicional, além de oferecer a possibilidade de misturas e adição de outros

    elementos como instrumentos musicais tradicionais e vocais. O estilo desenvolveu-se de

    tamanha maneira a tornar-se comercialmente acessível que mesmo artistas pop chegaram a

    compor usando o estilo, como o álbum Ray of Light da cantora estado-unidense Madonna.

    Destaque para os álbuns Music for the Masses de Depeche Mode e Power, Corruption and Lies de

    New Order, que se tornaram álbuns chaves no desenvolvimento da música eletrônica em geral.

    Alguns generos dance(mudou a tecnologia! novos generos surgem, portanto esta lista nunca

    sera completa)
    Sub-gêneros

    origem começo Outros estilos associados
    Breakbeat (1) Nova Iorque; (2) Inglaterra (1) início da década de 1970; (2)

    meados da década de 1990 techno, hip hop, dancehall
    Dance music Europa década de 1980 pop
    Downtempo
    raízes na década de 1970, mais evidenciado na década de 1990 dub, hip hop, jazz,

    funk, soul, drum and bass, música ambiente, bossa nova, pop
    Drum and bass (Jungle) Londres e Bristol início da década de 1990 breakbeat,

    techno, hip hop, reggae, dancehall, jazz
    Electro Detroit, Bronx, Nova Iorque, Los Angeles início da década de 1980

    synthpop, música disco, funk
    Hardcore Europa final da década de 1970 Happy Hardcore, Hardstyle, New Style

    Hardcore, Jumpstyle, Noisecore, Speedcore, Terrorcore, Trancecore
    House Nova Iorque, Chicago, Londres, Manchester década de 1980 electro, funk,

    disco, synthpop, soul
    Música ambiente Europa década de 1970 Krautrock, música erudita do século XX
    Música industrial Londres, Sheffield, Alemanha, Vancouver, Cleveland, Chicago

    início da década de 1970 música concreta, Fluxus, Noise
    Techno Detroit década de 1980 electro, industrial, synthpop, house, minimal
    Trance França, Alemanha, Países Baixos, Bélgica e Reino Unido início da década de 1990

    techno, house, industrial
    Trance psicadélico Goa, Reino Unido, Israel, África do Sul meados da década de

    1990 música psicadélica, industrial, acid housefonte wikipedia
  • O que é Midi?

    Jan 23 2009, 4h17

    Primeiramente, se você é músico ou produtor musical e usa (ou gostaria de usar) seu PC para produções musicais.



    Em segundo, se você usa seu PC para karaokê ou ouvir música na Internet.



    Em qualquer desse casos, você usa MIDI - ou deveria usar!



    O MIDI se utiliza de sons de instrumentos ?embutidos? na placa de som de seu computador, para reproduzir timbres dos mais variados instrumentos - como piano, violão, bateria e etc.



    Dessa maneira, em uma produção musical, por exemplo, você pode se utilizar de instrumentos eletrônicos, sem precisar ter que gravá-los. Como exemplo, você pode, com a ajuda de um programa específico, compor com o mouse uma trilha de bateria e usar os sons MIDI para reproduzi-la, sem ter que gravar de uma bateria real!



    É aí que entra o sampler:



    SAMPLER é um programa (ou equipamento) que reproduz MIDI com sons gravados de instrumentos reais.



    Dessa maneira, você terá uma melhoria DRAMÁTICA da qualidade de seus sons MIDI com o uso de um bom sampler.





    O que é Midi?



    Midi (Musical Instrument Digital Interface) é uma forma de armazenar em pequenos arquivos, notas musicais que podem ser executadas pela placa de som de seu computador.
    A placa de som é um sintetizador de instrumentos musicais, isto é, ela pode imitar sons, que normalmente são produzido por uma guitarra, piano, saxofone ou bateria. Os arquivos midi apenas guardam as notações musicais, ou seja, a partitura da música, informações que a placa de som precisa para tocá-la. Sendo assim, os arquivos midi são extremamente pequenos e fáceis de se copiar via internet, diferente de outros formatos de músicas como o MP3. Um arquivo MP3 ou WAV armazena a música original, copiada de um CD, portanto requer muito espaço.

    Além disso, para MÚSICOS, o MIDI permite total flexibilidade de edição; ou seja, pode-se facilmente tirar instrumentos, mudar o som deles, usando-se até mesmo como playback tanto para voz como para instrumentos. Além disso, pode-se mudar o arranjo da música, tom e etc, deixando a música do jeito que o músico ou produtor deseja.



    Perceba que o arquivo é extremamente pequeno, e se aberto com um programa específico, pode ser editado (tirar instrumentos, mudar tom, etc). Isso, para músicos, compositores e produtores, é uma maravilha! Porém o resultado acaba não sendo tão bom (para não dizer sofrível em alguns casos) devido aos timbres fracos da maioria das placas de som.



    Perceba que um mesmo arquivo MIDI, se tocado em uma placa de som ou teclado profissional, soará muito melhor do que se tocado em uma placa de som comum. (veja demonstração em MP3 mais abaixo)



    O que são placas de som



    As placas de som equipam computadores para que eles possam tocar sons e música e são capazes de reproduzir arquivos midi. A maioria dos computadores atuais já vem com um processador de som embutido (on-board), mas você pode adquirir separadamente placas adicionais para seu computador. As primeiras placas de som para PC, como as Sound Blaster, Sound Blaster 16/Pro, tinham qualidade de sintetização inferiores a das placas atuais, como Soundblaster LIVE ou Audigy, ou mesmo placas profissionais da Roland, Yamaha ou M-AUDIO, que custam bem mais obviamente.



    Em Quais programas eu posso ouvir arquivos Midi?



    Os MIDI Players são os programas que você utilizará para ouvir as músicas em seu computador, o Windows já possui um programa para isso, o Windows Media Player. Outros players são o Winamp ou o Real Player. Músicos preferirão usar sequencers como o SONAR, CAKEWALK ou CUBASE, que permitem tirar instrumentos, mudar sons de instrumentos ou mesmo editar completamente o arquivo.



    Emuladores de Som (SoftSynths)



    Para quem possui computadores com placa de som antigas ou com placas on-board (placa de som integrada à placa principal do computador), geralmente tem um resultado sofrível ao ouvir arquivos midi.
    Para melhorar a situação, você pode instalar um emulador de teclado como o da Yamaha. O emulador é um programa que desativa a sintetização da placa de som e substitui por arquivos de som gravados de um teclado. O resultado é surpreendente, você tem a impressão que trocou a placa de som por uma com tecnologia de Wave Table como as SB Live. Isso é aconselhável somente para placas antigas como SB16 ou placas onboard, e também somente para ouvir os arquivos. Se você pretende criar arquivos midi com um teclado musical acoplado ao seu computador, a sugestão é trocar a placa, pois a conversão do som via SoftSynth gera um atraso de resposta, tornando impossível tocar ?ao vivo? através de um teclado. Além do mais, os sons de emuladores são um tanto melhores que os da placa original, mas não tão bons assim quando se trata de produção musical séria.



    ?OK?, você diz, ?então meu próximo investimento será um módulo de som real, que me trará timbres bem melhores!?



    Porém, para montar um home-studio, leva-se muito em consideração o custo dos equipamentos. Fique sabendo que em um bom módulo de som, que você pode acoplar ao seu computador, de marcas como Roland ou Yamaha, você não pagará menos de 1.500 dólares!



    ?Então estou condenado a ter um som MIDI de baixa qualidade enquanto não gastar uma boa grana??



    Felizmente a resposta é não! E é aí que entram os SAMPLERS.



    UTILIZANDO NOVOS SONS EM SEU COMPUTADOR


    Uma nova tecnologia para melhorar os sons produzidos por nosso computador já está disponível no mercado. Repare que sempre quando tocamos os disquetes de arquivos Midi, em qualquer teclado de qualquer marca, seja Yamaha, Korg, Solton, Roland, os sons dos instrumentos soam melhor do que no computador, pois a maioria das placas de som de micro ainda não foram otimizadas para produzir sons de alta qualidade, como é em um teclado, em um sintetizador ou num módulo de som, por exemplo, que são computadores dedicados para produzirem (ou armazenarem) sons.

    Porém, quando colocamos novos sons dentro de uma placa, aparelho ou programa específico para isso, nosso computador pode se tornar tão bom ou até melhor do que um teclado para tocar arquivos Midi e ainda pode ter a capacidade de gravar outros instrumentos como um violão ou um saxofone verdadeiros, ou até mesmo as vozes dos cantores em trilhas paralelas e tocar tudo isso junto com o arquivo Midi original, criando uma nova, única e autêntica faixa musical que logo a seguir poderá ser gravada em CD!

    Quando tocamos um arquivo ou informação MIDI através de um programa ou equipamento que contenha um som pré-gravado de um instrumento real, dizemos que estamos "sampleando" o MIDI. Ou seja, usamos o midi apenas para ACIONAR os sons pré-gravados de instrumentos reais!

    É a oportunidade perfeita para você melhorar e criar um CD com uma qualidade excepcional dos demos de sua banda, para fazer um playback para que os cantores comprem para se acompanhar, ou ainda, gravar suas performances ao vivo ou em estúdio para criar um CD.

    O QUE SÃO SAMPLES?

    São sons pré-gravados. Um sample, ou "amostra", é uma pequena gravação de um som original de instrumentos acústicos ou não, reais ou não; podemos samplear por exemplo, tanto um violão de verdade ou um violão tocado por algum teclado, que depois de serem salvos no formato áudio (.WAV, formato padrão de sons para computadores PC), são editados e depois compilados em um novo formato, capaz de ser lido por programas específicos (software samplers), ou placas de som que suportem isso (SBLive/Audigy).
    Então, um programa seqüenciador como o Cakewalk/Sonar ou ainda o Cubase, fazem o trabalho de tocar um MIDI e enviar as informações para o SAMPLER, que irá "timbrar" o MIDI. Por exemplo, usar um som verdadeiro de piano Steinway & Sons que foi gravado diretamente deste maravilhoso piano de cauda e aplicar este som em uma trilha de um arquivo Midi, para que seja possível ouvir o que antes era tocado com um som de piano "fajuto", e agora soará com uma incrível e quase-perfeita qualidade.

    Ou seja, o som que antes seria lido pela placa de som, e tocado com seus timbres sintetizados e geralmente artificiais, agora será lido pelo sampler, que tocará a nota MIDI correspondente usando um som pré-gravado de um instrumento real. Isso proporciona um resultado muitas vezes superior à maioria dos sintetizadores e até mesmo teclados e módulos caros.

    Impressionante é o resultado final de tudo isso que nossos ouvidos apreciarão.

    COMO POSSO USAR ESSES SONS EM MEU COMPUTADOR?

    GIGASTUDIO

    O Gigastudio (anteriormente Gigasampler) foi durante muito tempo praticamente o único software sampler confiável na plataforma PC, e ainda continua como um carro-chefe na área de sampling. Atualmente existem outras opções, muitas delas até incorporam o formato *.GIG (arquivos nativos da plataforma GStudio) como padrões. Dentro dessa categoria de novos formatos estão alguns até já consagrados. Para citar alguns:

    Soundfont (*.SF2)

    Steinberg HALION (*.HAL)

    NI Kontakt (*.NKI)

    EXS24 (Logic Audio - *.EXS)

    Reason NN-XT (encapsulado em *.RFL ou *.SXT específico p/ o NN-XT)



    Entre outros soft samplers que podem ser usados estão o Sampletank, o Vsampler (o SONAR 3 vem acompanhado deste softsampler, que importa muitos formatos), o Reaktor (que mistura capacidades de synth) e é claro o velho padrão AKAI, nativo dos hardware samplers desta marca pioneira no mundo do sampling.

    Se você preferir uma plataforma à outra, existem programas como o CDXtract ou o Extreme Sample Converter, que conseguem ?transitar? entre esses formatos, ou seja, converter samples de um formato para outro.

    Porém, a tendência atual tem sido bancos de timbres com o próprio sampler ?embutido?. Isso facilita a vida do usuário, que não precisa ficar carregando arquivos, e evita muitos problemas de compatibilidade e estabilidade. Muitos desses programas aparecem em versões DXi, VSTi ou Stand-Alone (programa separado autoexecutável). Esses produtos são mais fáceis de usar, pois não há problemas de compatibilidade entre o banco de timbres e o programa que os executa; além do mais, a parte de configuração já vem automática, evitando desgastes nessa parte. A maioria das bibliotecas atuais segue esta tendência, sendo comum o uso de VSTi´s na produção musical, seja na forma original ou na forma standalone (programa autoexecutável que não depende de plataforma DX ou VST)

    SOUNDFONTS

    Originalmente, as soundfonts foram desenvolvidas para as placas Creative AWE, e posteriormente as SoundBlaster modelo Live! Value, Live!, Live! MP3+, assim como as Audigy.

    Com o passar do tempo, o formato .SF2 (soundfonts 2) foi se popularizando, e começou a ser suportado por outros programas, o que possibilita o uso das SF2 em computadores sem as placas da Creative. Um excelente programa para usar soundfonts no SONAR, mesmo para quem NÃO TEM Soundblaster Live! ou Audigy, é o Livesynth, ou o VSAMPLER, que aceita vários formatos de samplers (GIG, SF2, AKAI entre outros).

    ONDE OBTER SAMPLES PARA USAR EM MEU COMPUTADOR?

    Existem milhares de títulos em CD ou DVD que trazem coleções de samples, seja em forma de timbres para serem carregados em programas (como o Gigastudio) ou em forma de bancos com sampler embutido.

    Para conseguir bancos de timbres, assim como qualquer outro tipo de arquivo, a Internet é uma fonte preciosa de recursos, sejam eles gratuitos ou não. Existem vários sites de busca para encontrarem páginas que após uma busca não tão demorada, possuem bancos de timbre em GIG ou SF2, gratuitos para downloads.

    No caso dos sons que desejamos, porém, a qualidade deles é razoável, entretanto, muito fraca, se comparada a timbres profissionais como samplers da AKAI, E-MU, Roland, entre vários outros. Isso é devido ao fato de que a maioria dos bancos de timbres são General MIDI (GM), contendo 128 instrumentos e kits de bateria. Se por um lado isso facilita na hora de se tocar um MIDI (as músicas MIDI encontradas na Internet estão em padrão GM), por outro lado acaba comprometendo a qualidade dos sons. Para se conseguir timbres melhores, acaba-se tendo que se conseguir instrumentos separados, o que ás vezes dificulta a operação, pois a cada música os instrumentos terão de ser carregados um a um.
    Também, os timbres disponíveis gratuitamente na Internet muitas vezes vêm desafinados, desbalanceados ou com loops defeituosos, comprometendo a qualidade do trabalho.

    Um outro item a se considerar é que você necessitará de um sampler, ou seja, o programa em si para tocar os sons. Há algumas alternativas gratuitas, mas há uma certa dificuldade na operação.


    Então como faço para obter uma solução de qualidade a um custo baixo?

    Os bancos de timbres gratuitos para download oferecem uma qualidade razoável, podem ser uma boa porta de entrada. Mas para um resultado mais satisfatório, necessita-se de timbres editados e produzidos por profissionais da área.

    Não deixe de conhecer nosso produtos para áudio e MIDI, que trazem soluções excelentes para quem quer aprimorar ou iniciar trabalhos na área musical.
  • J-Tek A.K.A. jungle techno

    Nov 10 2008, 23h15

    J-Tek è o mais novo genero da dance music eletrônica que pega influencias na velha escola da dance como prodigy, altern8,

    the house crew, krome & time, moby, messiah, etc.. Tudo feito com a a mais moderna tecnologia e com informações da nova dance

    music como o electro, techno, drum & bass, etc...
    Eis o download gratuito de um set de J-Tek na casa das 155 BPM (o bitrate do mp3 está em 64 kbps para facilitar o

    download):

    )http://www.4shared.com/file/70305618/f938cc31/MYXED_MODE_j-tek_megamyx_-155_BPM.html?dirPwdVerified=964f5da1


    todas as musicas foram compostas e mixadas por Fabio Pires Ferreira A.K.A. MYXED MODE:

    http://www.aralie.com/myxed_mode/
    Set List:

    incomode seus vizinhos (135 BPM)
    The Sound of Myxed Mode (140 BPM)
    yonosphere (144 BPM)
    Even More Wicked (155) BPM)
    genobyte (155 BPM)
    touch the sky (146 BPM)
    Santerya Rave (150 BPM)
    Warp Wave (150 BPM)