TOP 10 Álbuns de 2010

RSS
Recomendar

Abr 24 2011, 14h34



10. Voluspa, The Golden Filter

Eletrônico, alternativo e experimental, este álbum de nome curioso une a uma voz fantasmagórica e ecoada diversos sintetizadores, sempre em tom intimista, gerando uma aura de mistério em torno de cada canção – o que se encaixa perfeitamente ao trabalho de arte da capa escolhida.

Os sussurros e técnicas musicais remetem, em alguns momentos, ao estilo de Goldfrapp e IAMAMIWHOAIM, mas aqui são postos ainda mais em evidência, pelo uso extremado do experimentalismo. Fantástico!

Favoritas: Dance Around the Fire, Hide Me, Solid Gold e Stardust.

_


9. Swanlights / Thank You For Your Love EP, Antony and the Johnsons

Um trabalho aquém de qualquer dos albuns anteriores do Antony Hegarty, mas justificado se entendido como uma trilha-sonora do livro de fotografias e pensamentos lançado em conjunto a esta obra.

O problema central em “Swanlights” foi a escolha de faixas, pois o EP lançado como prévia, “Thank You For Your Love”, introduziu bem um trabalho aparentemente muito mais interessante. As ausências de “My Lord My Love” e “You Are The Treasure” foram um erro grave, mas há de se atentar para a participação de Björk em “Flétta” e as influências rítmicas da mesma na faixa-título, além da voz incomparável e o tom de angústia que Antony possui. De todo modo, ouvi-lo [e sempre um momento de reflexão, uma experiência de autoconhecimento.

Favoritas: My Lord My Love, Thank You For Your Love, You Are The Treasure e Flétta (feat. Björk).

_


8. Flesh Tone, Kelis

R&B de qualidade, com a melhor “Intro” – grande desperdício, pois a faixa de longe seria forte candidata a single, se encarada como música em potencial – que já ouvi. “Flesh Tone” tem sequência non-stop e utiliza muito bem as variações do eletrônico em suas canções, tornando este o mais interessante trabalho da carreira da Kelis. Falha por dispor apenas de 9 faixas, uma vez que o potencial da artista é imenso e ela não desapontou seus ouvintes em quaisquer dos excessos cometidos no passado.

Favoritas: Intro, Acapella, Home e Scream.

_


7. Philharmonics , Agnes Obel

Estreia da dinamarquesa Agnes Obel, “Philharmonics” é um álbum essencialmente calmo, voz e piano, com melodias e letras bucólicas. A beleza, a solidão, a frigidez sentimental e o amor dubitável s]ao temas transmitidos com perfeição na voz suave de Obel, longe de qualquer tecnicidade ou batida eletrônica, tornando esse um item indispensável para quem curte o folk nórdico.

Favoritas: On Powdered Ground, Close Watch, Riverside, Beast e Wallflower.

_


6. Soldier of Love, Sade

I'm a soldier of love / every day and night / I'm soldier of Love / all the days of my life; assim como cantado no refrão da musica-título, é impossível desassociar a banda Sade ao romantismo e ao que há de melhor no jazz e soul. E na figura de Sade Adu, vocalista do grupo, que toda a sensualidade das composições ainda encontra a modelo e a grande porta-voz de voz aveludada, impecável mesmo após tantos anos afastada dos estúdios.

O mesmo grupo que nos trouxe grandes sucessos como “Smooth Operator” (1984), “No Ordinary Love” (1992) e “By Your Side” (2000) fez em 2010 um retorno triunfal, e nada mais merecido que o sucesso de público e crítica alcançado.

Favoritas: Soldier of Love, The Moon and the Sky, Long Hard Road, Morning Bird e Babyfather.

_


5. The Family Jewels, Marina & the Diamonds

Com letras divertidas e inusuais, além de bastante sinceras, essa inglesa é uma das mais promissoras cantoras pop dos últimos anos! Acompanho-a desde sua indicação pelo BBC Sound of 2010, e não tive decepções.

Trata-se de um pop crítico, cantado ao estilo de artistas como Amanda Palmer, porém mais voltado ao radio friendly. Eis alguém a se observar os próximos passos, e em quem um maior investimento no futuro poderá significar sucessos a nivel global. It's my problem if I feel the need to hide / it's my problem if I have no friends, and feel I want to die.

Favoritas: Hollywood (Single Version), Are You Satisfied?, Obsessions, Hermit the Frog, Girls e Oh No!.

_


4. Head First, Goldfrapp

Nostalgia! “Head First” é como uma viagem no tempo, um álbum que recupera e utiliza com precisão os ritmos e a estilística das canções dos anos 80, inserindo a estas as novas técnicas da musica eletrônica atual.

Como sempre, o Goldfrapp investiu em um estilo novo ao seu ainda pouco extenso repertório – que já conta com um dos melhores álbuns de todos os tempos, “Seventh Tree”, de 2008 -, e agrada aos ouvidos de qualquer melomaníaco atento em todas suas faixas, inclusive a experimental “Voicething”.

O album é curto - são pouco mais de 38 minutos divididos em nove faixas -, mas é uma experiência e tanto, em especial por conta da voz de Alison Goldfrapp, a mais relaxante e doce a que já tive o prazer de escutar.

Favoritas: I Wanna Life, Rocket, Hunt, Dreaming e Alive.

_


3. Body Talk, Robyn

Ambicioso projeto da sueca Robyn, que consistiu no lançamento de três EPs (pts. 1, 2 e 3) durante aquele ano, conforme ela gravasse suas novas composições, ate que, em conclusao, as mais bem-sucedidas fossem compiladas na versão final do álbum, liberada em novembro.

Robyn produziu e trouxe a tona um pop feminino clássico, longe das obscenidades e apelações dos dias de hoje, bem como das técnicas de melhoria e “mecanização” vocal. Um material excelente e digno do Top 3.

Favoritas: Indestructible (Acoustic Version), Fembot, Get Myself Together, Time Machine, Love Kills, None of Dem (feat. Röyksopp) e Dancehall Queen.
Maiores sucessos: Dancing on My Own e Hang with Me.

_


2. Happiness, Hurts

Última descoberta do ano de 2010, em sede de período natalino, e um dos quatro debuts da lista, “Happiness” foi mais que uma surpresa agradável! Se o que realmente importa na musica é a letra (como alguns defendem), este é o diferencial do trabalho deste duo, não obstante a crítica mais elogiá-lo pelo bom uso do estilo synthpop.

Não aguarde por versos vanguardistas ou rebuscados, mas sim um discurso direto e poético, por vezes de desilusão, outras de súbita esperança e de desejo instintivo por um recomeço, havendo nos momentos mais melancólicos o ápice da obra. There's something in the water, I do not feel safe / It always feels like torture to be this close / I wish that I was stronger / I'd separate the waves / Not just let the water / Take me away.

Favoritas: The Water, Silver Lining, Devotion (feat. Kylie Minogue), Evelyn e Sunday.

_


1. Michael, Michael Jackson

Primeiro álbum póstumo de músicas inéditas do Michael Jackson, “Michael” conta em seu desfavor uma capa e um título pouco inspirados, o que talvez possa causar uma má primeira impressão; entretanto, é um compilação de excelentes gravações [infelizmente] inacabadas, mas de grandiosidade irrefutável.

Polêmicas a parte, e com componente FÃ em caixa alta, este me parece o maior merecedor do título de ÁLBUM DO ANO, seja pelas preciosas baladas, ao melhor estilo do Rei do Pop, como “Much Too Soon” e “Best Of Joy”, seja pelas investidas up-tempo, como “Hollywood Tonight”, a que mais relembra o estilo arrasador nas pistas que o maior gênio da música criou no final dos anos 70 e passou a usar desde então. Trata-se de uma obra inesperadamente homogênea, o que só demonstra a regularidade e o nivelamento qualitativo dos seus trabalhos ao passar das décadas – as canções datam de 1982 a 2009.

Os elementos não inseridos pelo próprio Jackson, de modo geral, prejudicaram as canções – e.g., a instrumental excessivamente ‘moderna’ de “Behind The Mask” e a junção de vozes em faixas como “Monster”, a qual, despropositalmente, também ganhou versos de 50 Cent. Contudo, há de se destacar, por exemplo, a belíssima nova introdução de “(I Like) The Way You Love Me”, sucesso nas rádios brasileiras após ser música-tema de romance no programa Big Brother Brasil 11, que traz uma inesperada gravação de voz do MJ explicando o arranjo música, preciosidade colhida na secretária eletrônica de Brad Buxer, engenheiro de som e amigo próximo do Rei.

Favoritas: Hollywood Tonight, Best of Joy, Monster (feat. 50 Cent), Much Too Soon e Behind the Mask.

Comentários

  • AdrianJackson94

    nice teste:) Yes, Michael is good album:) I agree:)

    Jun 21 2011, 17h01
Ver todos os 2 comentários
Deixe um comentário. Faça login na Last.fm ou cadastre-se agora (é gratuito).