O rock psicodélico refere-se a tipo de produção musical “intimista” (ou seja conota reflexão sobre processos internalistas do comportamento), cujos temas mais centrais exploram bastante “subjetividade”, “loucura”, “obsessão”, “referencias às drogas psicoativas”, “imagens”, “alucinações” e “melancolia”. As principais características do estilo incluíam músicas instrumentais muito longas e efeitos sonoros especiais (tais como vozes repentinas durante movimento de corte do ritmo da música, risos “imotivados” trazendo como referência quadros clínicos de alucinação ou desespero - caracterizado por alucinógenos), muitas vezes com harmonias contrastantes e experimentais. Além disso, o termo “Psicodélico” pode se referir a manifestações de um profundo auto-conceito musical, isto é, reflexões acerca da subjetividade do próprio artista. Se tornou mais conhecido através do grupo de rock The Beatles em sua famosa “fase psicodélica” entre os anos de 1966 a 1967. Outros grupos também exploram bastante esta temática como por exemplo os primeiros trabalhos do Pink Floyd e The Who. No Brasil,temos os grupos Secos e Molhados e Mutantes como principais expoentes deste movimento musical. Para este tipo de música, o uso de Sintetizador é fundamental.

— História —

Nos anos 60
Nos Estados Unidos este som era característica particular da música da costa oeste, tendo na sua vanguarda bandas como os Beach Boys, Grateful Dead, Quicksilver Messenger Service, Vanilla Fudge, Tommy James and the Shondells, Jefferson Airplane e The United States of America. Os Doors ajudaram a popularizar o Acid rock, um estilo parecido com o psicadélico. Também existiam bandas menos conhecidas noutras regiões, tais como os “13th Floor Elevators” e os “Bubble Puppy”, assim como os Third Bardo de Nova Iorque, banda que voltou à cena esporadicamente nos anos 90. Os The Byrds também contribuíram para o movimento psicadélico com “Eight miles high” uma música com harmonias vocais ímpares e longos solos de guitarra de Roger McGuinn que diz ter sido inspirado por raga e John Coltrane. Este estilo chegou também à música negra, com o nome de “psychedelic soul”, produzindo êxitos como, “Ball of confusion” e “Psychedelic shack” dos The Temptations e “Reflections” por The Supremes, tendo acabado por aí.
Na Inglaterra, apesar da “revolução psicodélica” ter ocorrido um pouco mais tarde, o impacto não foi menor. Músicos consagrados como, Beatles, The Animals e The Who produziram um grande número de músicas psicodélicas. No caso dos Beatles, é particularmente o caso de Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, que incluía a faixa “Lucy in the Sky with Diamonds” que teria as iniciais “LSD”, embora John Lennon, o autor sempre dissesse tratar-se de uma coincidência e que o nome da música era baseado num desenho feito pelo seu filho. Revolver e Magical Mystery Tour foram outros álbuns da banda de Liverpool que incluíam músicas psicodélicas. Os Animals, que nesse época tinham apenas um dos integrantes originais, não tinhas mais muito sucesso, mas conseguiram emplacar hits como: Sky Pilot, Monterey e San Franciscan Nights
A música dos Beach Boys tornou-se mais psicadélica devido ao aumento do uso de drogas por parte de Brian Wilson, compositor, produtor e orquestrador do grupo. Álbuns como “Pet sounds” e “SMiLE”, de Wilson, nunca editado, mostram essa crescente experiência. A música dos Cream e dos Pink Floyd (no seu início) é também representativa do movimento psicadélico na Inglaterra. A Joe Meek, produtor independente, é atribuída a invenção do phasing sound, notavelmente mostrado pela primeira vez no êxito dos Status Quo (banda) intitulado “Pictures of matchstick men” mas também ouvido em “See Emily play”, “The lemon pipers” e “Green tambourines” dos Pink Floyd, em “Silver machine” dos Hawkwind, “Ican see for miles” e “pictures of Lily” dos Who, em “Strawberry fields forever” dos Beatles e “We love you” dos Rolling Stones, sendo este os melhores exemplos do rock psicadélico inglês.
Um bom número de bandas que foram pioneiras do rock psicadélico, abandonaram o estilo no fim da década de 60. Um ambiente político hostil e a entrega do underground às anfetaminas, à heroína e à cocaína, levaram a que a música se tornasse cada vez mais pesada. Ao mesmo tempo, Bob Dylan editava “John Wesley Harding” e The Band, “Music from the big pink”, álbuns que se voltaram para as raízes, o que foi seguido por muitas bandas dos dois lados do Atlântico, tendo inclusivamente Eric Clapton citado “Music from the big pink” como sendo a primeira razão para ter abandonado os Cream.
Os músicos e bandas que continuaram com a psicadélia tornaram-se os criadores do rock progressivo nos anos 70, que mantendo o gosto pelos sons estranhos e longíssimos solos, adicionaram influências do jazz e da música clássica à nova mistura. O Yes é um exemplo dessas bandas, que se formou a partir de três grupos de rock psicadélico, os “Syn” donde saiu Chris Squire, “Tomorrow”, de onde saiu Steve Howe e “Mabel Greer’s Toy Shop” de onde veio Jon Anderson. O King Crimson também apresenta elementos psicodélicos, mas o Gong é o maior representante da psicodelia no rock progressivo, principalmente em seus discos iniciais - a trilogia “radio gnome invisible” é o maior exemplo.

—- Fusão com a música eletrônica —-

Bandas mais recentes
Os Phish, formados no início da década de 80, tocavam música psicadélica com forte influência de jazz com grande destreza técnica utilizavam melodias elaboradas e complexos arranjos rítmicos. A meio dos anos 80 os Paisley Underground fizeram um tribute ao Byrds incorporando o psicadélico em ritmos folk. Os The Bangles foram o grupo de maior sucesso a emergir deste movimento, juntamente com os Green on Red e os Dream Syndicate.
Mais recentemente o grupo Kula Shaker mesclaram música índia/indiana e britpop a influências psicadélicas no seu álbum “Peasants, Pigs and Astronauts”. Banda como os Ozric Tentacles e os Gorky’s Zygotic Mynci continuam a tocar música psicadélica numa tradição que remonta aos anos 60 via Steve Hillage, Gong e seus projectos paralelos.
Bandas inglesas como os Anomie e My Bloody Valentine são exemplos da psicadelia inglesa de garagem, citando os Pink Floyd e os Hawkwind como as suas influências musicais. Algumas bandas de música electrónica ou influenciada por esta e agora chamada de “música ambiente” ou trance, seriam bandas psicadélicas entre 1966 e 1990, tais como, Aphex Twin ou Orbital. Kyuss e seus sucessores também carregaram a bandeira do rock psicadélico até aos nossos dias. Os Smashing Pumpkins fundiram o rock psicadélico com o heavy metal tornando-se numa banda de sucesso the rock alternativo nos anos 90. Formando-se a partir do noise underground japonês os Acid Mother Temple misturaram a o som subtil e relaxante de Blue Cheer é psicadelismo óbvio de Grateful Dead.

Editado por MaeHolmewintton em Fev 9 2011, 16h47

Fontes (ver histórico)

Wikipédia

Todos os textos enviados pelos usuários nesta página estão disponíveis sob a licença Creative Commons Attribution/Share-Alike.
Os textos também estão disponíveis sob a Licença de documentação livre GNU.

Você está vendo a versão 2. Veja versões mais antigas, ou discuta esta wiki.

Você também pode ver uma lista de todas as alterações recentes na wiki.