Biografia

Biografia:
2000:
Em um momento tenebroso de minha vida, no qual o mundo conspirava contra mim e minha auto-estima descia pelo ralo, vi-me a mim próprio diante de duas opções para acalentar a dor que me preenchia: tirar de mim mesmo a minha própria vida ou escrever um funk a respeito dela. Após falhar na primeira opção, obtive sucesso na segunda e criei a primeira versão do Bonde da Depressão, sob a alcunha dupla de MC Dor e MC Sofrimento.

2001:
Em outro momento tenebroso de minha vida, no qual a própria existência conspirava contra o mundo que, por sua vez, conspirava contra minha auto-estima enquanto minha vida descia pelo ralo, me vi a mim mesmo diante de outras duas opções: criar a minha própria seita de adoração a Belial ou escrever um funk a respeito da criação de meu próprio grotto de adoração a Belial. Como a primeira era pré-requisito para a segunda, uni minhas forças com um comparsa e criamos as primeiras versões de Dança do Pentagrama Invertido e Bonde da Mutilação. À dupla foi dada a alcunha de MC Abutre & MC Carniça. Eu era o Abutre.

2002:
Uma vez estabelecida, a seita começou a sentir os efeitos da prosperidade. Porém, em um momento não menos obscuro de minha vida, no qual uma seita rival conspirava contra a existência do mundo, quedei-me em si diante de duas opções: eliminar o grotto de adoração a Astaroth ou convertê-lo a braço direito do grotto de adoração a Belial. Após perder dois dedos tentando a primeira opção, apelei novamente para a segunda. Agora em trio, foi criada a primeira versão do Bonde de Jesus. O integrante recém-integrado à horda viria a ser conhecido como MS Barney.

2003:
O grotto de Belial e Astaroth ia muito bem, obrigado. Era um momento de sutil opulência de minha vida, no qual o mundo conspirava contra a descida de minha auto-estima pelo ralo, fincando-se em si a iminência de dois fatores cruciais nesta jornada de homoerotismo reprimido. MC Abutre e MC Carniça foram convidados para um show de estréia de um curta-metragem cuja trilha sonora era Dança do Pentagrama Invertido. A partir daí, começamos a conspirar contra a existência do mundo e nos vimo-nos a nós mesmos compelidos a darmos um passo à frente, evitando que nossas vidas descessem pelo ralo.

A partir daí, outra apresentação foi agendada. Dessa vez, tratava-se de um show completo. Munidos apenas das três canções supramencionadas. Destituído da presença de MS Barney, que conspirava contra sua própria vida e contra o mundo em sua existência, e em dúvidas sobre a presença de MC Carniça, uma nova convocação foi realizada para o grotto de Belial e Astaroth. Neste momento é marcado o ingresso oficial de MC Carvão na jornada. Com ele, surgiu a criação de nosso primeiro hit feito em grupo: Vômito Podraço. Além disso, tivemos aquilo que pode se chamar de “primeiro show”. Para finalizar, meu novo batismo causado pela fusão de grottos anteriormente rivais. De MC Abutre passei a atender por Professor Aquaplay.

As coisas não iam bem para o grotto de Astaroth. MC Carniça decidiu trilhar sua própria vida, existindo num mundo onde as conspirações descem pelo ralo. Éramos três, novamente. Professor Aquaplay, MC Carvão e MS Barney. Ao trio remanescente, foi dado o nome de U.D.R., em um lacônico momento de sofreguidão e êxtase extático de minha vida. Comemoramos a união em um rito dionisíaco regado a sexo oral e palavras de adoração a Shub-Niggurath e finalizamos nossa primeira demo, intitulada Seringas Compartilhadas Vol.2 - Concertos Para Fagote Solo, em Si Bemol. Nela, incluímos novas versões para as quatro músicas já citadas e acrescentamos as infames Bonde do Amor Incondicional, Bonde da Orgia de Travecos, O Evangelho Segundo Serguei e Bonde do Aleijado.

2004:
O ano tenebroso que marcou o início de nossa conspiração de ascenção, podendo ser resumido à prensagem limitada e exclusiva de nossa demo e nossas deliciosas camisetas da turnê O Amor Move Montanhas. Mais duas músicas haviam sido criadas e executadas pela primeira vez em nosso primeiro show fora de nossa cidade natal. São Paulo assistiu emocionada à visceral performance, sutilmente incomodada pelo sol raiando do lado de fora. 2004 foi o ano em que recebemos certo reconhecimento de pessoas relativamente conhecidas no mundo da mídia. Equilibradamente, foi um ano de leves conflitos internos e um show extremamente mal-sucedido.

2005:
Este ano pode ser resumido por dois triunfos: uma apresentação para 2 mil pessoas em Belo Horizonte e outra para 700 em São Paulo. Na primeira, a comprovação de que o berço de nossa vida realmente conspira contra nossa existência. Na segunda, a confirmação de que nosso groto de adoração a Belial, Astaroth e Shub-Niggurath permanece mais forte do que nunca.

Apesar das singelas alegrias, o grupo se viu novamente em um momento tenebroso. Conspirando contra tudo que revela de si no mundo e revelando ao mundo tudo que conspira em si, MS Barney decidiu acalentar suas lamúrias e deixar o grupo. Sozinhos, eu e MC Carvão voltamos ao ritmo normal de composições e nos preparamos para nosso retorno triunfante.

2006:
Diziam por aí que o DVD do Kool Metal Fest 6 ia sair qualquer dia desses. Mas nem saiu. 2006 foi um ano cheio de aventuras e aparições na TV, os garotos-U.D.R. levaram o seu funk-arte para a MTV. Um mundo novo tinha se aberto para os rapazes. Mas eles estavam divididos entre o vicio em Doritos e várias questões existencialistas.

2007:
O ano chinês do Ornitorrinco. O Dvd saiu neste ano. Mas foi bem no final. Durante o ano os UDR conseguiram descobrir a cura da AIDS, mas como tinham anotado num guardanapo de boteco esta foi rapidamente perdida. Ano do lançamento do “Shape do punk do cão”, o Ep que aterrorizou a cena eletrônica brasileira, ofendendo gratuitamente os gordinhos e tratando sobre temas importantes como o HPV.

2008:
Este é o ano que estamos, é quase como se fosse viver no passado. Note:
Eu escrevo aqui e você lê.
Pronto agora a frase anterior já é passado.

Neste ano os garotos U.D.R. fazem participações na TV e armam uma brincadeira para azucrinar os fãs e a cena musica tupiniquim. Fingem a saída do Carvão e armam um concurso para novos integrantes. Tudo para lançar o próximo ep o “Bolinando Straños”. Ao final da brincadeira todos entenderam a mensagem e se abraçaram. Isso foi semana passada numa boate gay aqui de BH.




Perguntas pertinentes que sempre nos fazemos quando o assunto é U.D.R. Dos boatos mais maldosos aos rumores mais próximos da verossimilhança, a intenção desta área do site é satisfazer os seus desejos mais sórdidos e obscuros pela nua e crua verdade.


É verdade que vocês comeram cocô num show em São Paulo, em 2004?
Quem estava lá pode confirmar. Não só ingerimos nossas próprias fezes, como também o fizemos com nossos vômitos, em uma brincadeira gostosa entre amigos que foi vista com naturalidade por todos ali presentes.

Qual é o lance da tal “surra de pau mole”? Aconteceu mesmo?
Este fato é uma grande inverdade criada por grupos dissidentes, em uma tentativa de depreciar nossa imagem e credibilidade frente ao respeitável público que tanto estima a aprecia a U.D.R. Não, jamais aconteceu nada desta natureza.

É verdade que um cara da U.D.R. come carne de tatu?
Esta é uma meia-verdade. Como refugiado de uma área flagelada pela seca, nosso dileto integrante MC Carvão teve, sim, como parte de sua dieta alimentar, a carne de tatu. Em uma determinada ocasião, ele teve de comer o baço do próprio irmão, mas foi apenas um caso isolado.

Por que o MS Barney saiu da banda?
Quem? O Sr. Eu-sou-bom-demais-para-participar-de-festas-da-punheta?

Algum de vocês já pegou travestis?
Em primeiro lugar: não são travestis. São artistas burlescos do entretenimento adulto. Quantas vezes será que teremos de repetir isso para vocês?

Dizem por aí que vocês são os novos queridinhos dos famosos. Confere?
Não sabemos ao certo. Acho que o Tarcísio Meira mencionou algo assim naquele dia em que estávamos fazendo um churrasco na casa do Chiquinho Scarpa. Não, não, mentira. Foi no sítio do Bussunda e quem disse foi o Pedro Cardoso. É, foi isso mesmo. Sempre confundimos o nome desses roqueiros malucos.

Quando vocês vão lançar a versão completa do “Avião Brutal do Scat”? E “O Cais”?
Ambas estão em fase eterna de finalização. Isso é só uma maneira polida de dizer “a gente sempre solta tudo assim que fica pronto. Vamos manter um pouco de suspense nesta relação ou teremos de terminar tudo, Jorge Hermiliano. Assim não dá mais, você só pensa em si mesmo. Snif”.

Quem já foi DJ da U.D.R.?
DamiDamiDami, Tasgaum, Pyrata, Karkinoz e Mano da 89FM. Houveram ocasiões em que nós mesmos fomos os DJs e algumas pessoas fizeram o papel temporariamente em algumas apresentações: Smile, Dalton Skulk e Chino.

O que significa U.D.R.?
É uma homenagem à banda UDORA, nossos conterrâneos aqui de Belo Horizonte que vira-e-mexe tocam no exterior. A sigla é o nome deles, sem as vogais.

Não consigo encontrar a minha pergunta aqui, o que faço?
Você não está encontrando respostas porque não faz as perguntas corretas, pequeno raccoon.

É verdade que vocês já sofreram represálias de pessoas avessas à sua música?
Se por “represálias” você quer dizer que alguém pagou para entrar, se incomodou, cuspiu na banda, irritou o Professor Aquaplay, percebeu que estava no meio de fãs e saiu correndo, então sim.

Qual a relação de vocês com o Rogério Skylab?
Nenhuma. Ele visita nossa cidade a cada 2 anos e a memória dele é curta.

E com o Allan Sieber, o cartunista pornográfico maluco?
É um caso bastante complicado, sabe? Tudo começou quando fomos conhecê-lo na feira de quadrinhos. Encurtando uma longa história, vamos apenas dizer que ele cantou o Bonde de Jesus e depois emprestamos um real para deixá-lo mais bêbado. Preferimos não comentar a respeito do porquê da boa ação. É sério. Não pergunte.

Quero trazer vocês para tocarem na minha cidade, o que faço?
Primeiro, certifique-se de que o número de possíveis desavisados na platéia seja pequeno. A melhor forma de fazer isso é divulgar para o máximo de pessoas possível, garantindo que um possível show não se torne um possível fiasco. Depois, verifique o preço das passagens (aéreas ou rodoviárias) de Belo Horizonte para a sua cidade e vice-versa. Depois entre em contato conosco, para negociar cachês e outras pequenezas.

Lembrando sempre de que e-mails de “quando vocês vão tocar em [nome-da-cidade]?” não contam como propostas.

VALEU BRAZIL, VIBRAMOS JUNTOS! O TETRA É NOSSO…

Editado por Franklinsap em Jun 28 2011, 20h24

Todos os textos enviados pelos usuários nesta página estão disponíveis sob a licença Creative Commons Attribution/Share-Alike.
Os textos também estão disponíveis sob a Licença de documentação livre GNU.

Ficha do artista

Gerado a partir de fatos marcados na wiki.

Não existe informação sobre este artista

Você está vendo a versão 15. Veja versões mais antigas, ou discuta esta wiki.

Você também pode ver uma lista de todas as alterações recentes na wiki.

Mais informações

De outras fontes.

Links