Biografia

Desde o final da década de 80 e início da década de 90, a banda nova-iorquina Type O Negative escreveu sua história na cena do Metal mundial. Porém, sua origem e formação podem ser resgatadas nos anos anteriores, com a banda chamada Carnivore.

Formada em 1983 por Peter Steele, no Brooklin em Nova Iorque, a banda Carnivore teve apenas cinco anos de carreira e dois trabalhos lançados neste período. O primeiro lançado em 1985 com o mesmo nome da banda e o segundo, intitulado Retaliation, em 1987. Apesar da breve trajetória, o Carnivore foi uma espécie de “preparação” para a formação musical e da própria personalidade do Type O Negative. Por exemplo, nesses dois álbuns, percebe-se uma sonoridade que seria lapidada nos anos posteriores e um visual “pré-apocaliptico”, que seria uma das marcas do TON.

Após o fim do Carnivore, Peter Steele não desiste e sai à procura de outros músicos. Josh Silver, amigo pessoal de Peter e que já tinha produzido o primeiro disco do Carnivore, foi o primeiro a ser convidado. No ano de 1990, a banda já com o nome atual e a formação com Peter Steele (líder, fundador compositor), Sal Abruscato (baterista), Kenny Hickey (guitarrista) e Josh Silver (tecladista), prepara o álbum de estréia. No ano seguinte, além da qualidade, a proposta musical foi significante para que a banda fosse contra-tada pela gravadora Roadrunner.

Slow, Deep and Hard é um ótimo início. O trabalho traz características da extinta Carnivore, com passagens viscerais, algumas soando até de forma crua; outras bem lentas e próximas do Doom Metal. A faixa de abertura intitulada Unsuccessfully Coping with the Natural Beauty of Infidelity, estende-se por doze minutos e é uma referência das outras seis músicas que compõem o álbum.

Outras características interessantes são as passagens acústicas e até mesmo o uso de corais no estilo “música sacra” (feitos pelo próprio Peter). Percebe-se também que uma das curiosidades desse disco é o nome das músicas. Por exemplo, a faixa Gravitational Constant: G = 6.67 x 10-8 cm-3 gm-1 sec-2. De qualquer forma, o trabalho foi bem recebido pela crítica e pelo público. Em seguida, parte para uma turnê ao lado de Biohazard e The Exploited.

Mais um elemento, no mínimo curioso, pode ser encontrado na trajetória do Type O Negative. Geralmente, uma banda lança um disco ao vivo após alguns anos de carreira, vários álbuns lançados e uma posição consistente em seu segmento. No caso do Type O Negative não foi bem assim. O segundo álbum de sua discografia, The origin of the feces lançado em 1992 já é um trabalho ao vivo; ou pelo menos deveria ser.

Os boatos dão conta de que a gravadora Roadrunner havia entregado diretamente a Peter, uma quantia que seria suficiente para a produção de um disco ao vivo. Porém, Peter teria gastado todo o dinheiro promovendo festas e orgias. Assim, vendo-se na obrigação de entregar um disco “live” para a Roadrunner, a banda regravou algumas faixas em estúdio e, durante a mixagem, inseriu aplausos artificiais e até diálogos para que a sonoridade soasse como nos discos ao vivo.

O fato é que The origin of the feces não é um álbum ao vivo. Mas, entre as dez faixas que compõem este trabalho, sendo algumas do disco anterior, os destaques ficam com Hey Peter (versão de Hey Joe de Jimi Hendrix) e Paranoid, originalmente gravada pelo Black Sabbath. Ainda, outro ponto interessante é a capa deste disco, mostrando um coito anal homossexual.

O ano de 1993 foi determinante para que a banda conquistasse seu espaço junto ao público. Foi através do álbum Bloody Kisses que a sonoridade agressiva e visceral de outrora cedeu espaço às melodias mais sofisticadas próximas ao Doom Metal e ganhou ares sombrios; porém, sem soar comercial. Foi este trabalho que consagrou os primeiros sucessos. O forte apelo visual, foi essencial para que os clipes tivessem uma ótima aceitação do público, chegando a liderar as paradas de clipes da MTV.

Além da qualidade musical, Bloody Kisses tornou-se conhecido também pela polêmica gerada em torno de algumas músicas. A introdução, Machine Screw, inicia-se com gemidos eróticos femininos. Na seqüência, a segunda faixa, Christian Woman, narra em sua letra, a história de uma adolescente que vê Cristo como um símbolo sexual. O clipe desta música exibe cenas da adolescente na cama com o suposto Cristo. Além disso, Christian Woman estendia-se por aproximadamente nove minutos. Assim, não apenas a duração teve de ser reduzida como a letra teve de ser adaptada para ser executada nas rádios.

A terceira faixa, Black nº 1, também ganhou uma versão videoclipe. O hardcore ressurge em faixas como Fay wray come out and play e Kill all the white people. Peter Steele despeja desilusões amorosas e problemas pessoais em faixas como Summer Breeze, Bloody Kisses, Too Late: Frozen e Blood & Fire.

Em 1994, este álbum foi relançado numa versão “digipack” com capa e encarte diferentes e sem as faixas mais curtas; porém, trazia a inédita Suspended in Dusk. Neste mesmo ano, o The origin of the feces foi relançado com uma nova capa. Durante uma turnê de divulgação do Bloody Kisses, o baterista Sal Abrusvatto desentendeu-se com os outros membros e abandonou a banda. Johnny Kelly, ex Life of Agony, foi convidado para ocupar a vaga deixada por Sal.

No ano seguinte, o Type O Negative foi convidado a participar do tributo ao Black Sabbath, intitulado Nativity in Black, ao lado de bandas como Megadeth, Bruce Dickinson, Sepultura, Faith No More, White Zombie, entre outros. Neste trabalho, o Type regrava a música Black Sabbath, com um arranjo mais sombrio, diferente do original; enquanto as outras bandas fizeram releituras semelhantes às gravações originais. Nesta mesma época, Peter Steele posa nu para a revista Playgirl e aumenta a popularidade do Type O Negative.

O álbum October Rust foi lançado em 1996 e é considerado por muitos fãs, como o melhor trabalho da carreira. Ao longo de suas quinze músicas, October Rust oscila entre climas românticos, como Love you to Death (com introdução em piano) que ganhou uma versão videoclipe; climas amenos como encontrado em Green Man; ou mais densos como Red Water. Ainda, há uma passagem eletrônica e mais dançante em My Girlfriend’s Girlfriend, que também se tornou um videoclipe, mas proibido em alguns países devido ao fato de abordar o homossexualismo feminino. Mas este trabalho não deixa de lado a face sombria da banda como em Wolf Moon, nem a introspecção de Peter em Haunted. Como de costume, mais uma faixa é batizada com um nome imenso: The Glorious Liberation Of The People’s Technocratic Republic Of Vinnland By The Combined Forces…

Nos anos seguintes, o Type O Negative participa de importantes festivais como o Ozz Fest e das trilhas sonoras dos filmes A Bruxa de Blair, A Noiva de Chucky e, posteriormente, Mortal Kombat.

World Coming Down é o quinto álbum. Este trabalho foi concebido durante turnês anteriores. Porém, tragédias pessoais, como a morte do pai de Peter, colaboraram para o clima mais pesado do álbum. Lançado em 1999, este disco é citado como um dos menos prósperos do Type O Negative, com letras mais depressivas e uma sonoridade um pouco mais comercial. Mas, entre suas 13 faixas, ainda destacam-se Every One I Love Is Dead, All Hallow´s Eve e Everything Dies; além de uma regravação dos Beatles: Day Tripper.

Em 2000 foi lançado um pacote promocional contendo uma compilação de versões dos maiores sucessos da carreira e algumas inéditas, além do DVD After Dark e um livreto de oito páginas, intitulado The Least Worst Of. Nesta mesma época, Johnny Kelly e Kenny Hickey passaram a atuar também em projetos paralelos. Em 2001, a banda se reúne para dar início às composições do próximo álbum.

Após três anos de expectativa para os fãs, o Type lança o inédito Life Is Killing Me. O trabalho mais recente, traz quinze faixas que mantêm as principais características da banda. Porém, alguns detalhes foram incorporados neste disco. Por exemplo, a banda fez uso, na faixa Less than Zero, de uma cítara, como já haviam utilizado no álbum Bloody Kisses. Os vocais de Peter continuam graves e profundos, enquanto Josh eleva a sofisticação com os arranjos de teclado, lembrando algumas passagens do álbum Octuber Rust. Life Is Killing Me agrada aos fãs mais antigos e exigentes e torna-se mais uma referência na discografia do TON, pois reúne características que remetem as melhores fases da banda.

Em maio de 2005, no site oficial da banda, foi divulgada uma informação de que Peter Steele estaria morto. Na mesma página, encontrava-se uma foto da lápide do vocalista. Obviamente, a notícia foi desmentida imediatamente. Porém, não se sabe ainda se isto foi uma brincadeira dos próprios membros ou se a webpage foi invadida por hackers. Neste mesmo ano, Peter Stelle participa das gravações do filme Tao of M, de James L. Bills, interpretando o vampiro Viktor Baine.

No início de 2006, é lançado pela gravadora alemã SPV, o DVD Symphony for the Devil (The World of Type O Negative). Juntamente com o DVD, é lançado um single contendo três covers do guitarrista Carlos Santana: Evil Ways, Oye Como Va e Black Magic Woman.

Apesar de haver uma certa unidade na sonoridade dos discos, enquadrar o Type O Negative em apenas um estilo dentro do Metal é tarefa que poucos fãs e críticos se arriscam. Porém, a influência de Black Sabbath, por exemplo, é nítida; mas nem por isso são classificados apenas como Doom Metal. Além das músicas, o visual “vampírico” já os rotulou como “Vampiric Metal” e, em outros casos, como Gothic Metal. Mas Peter Stelle declara que o estilo é “Gothadelic”.

De qualquer forma, acima dos rótulos está uma história de pelo menos 15 anos e sete discos que colocaram o Type O Negative entre as mais respeitadas bandas do segmento. Assim, os fãs sabem que a qualquer momento pode surgir mais uma novidade de Peter Steele, Kenny Hickey, Johnny Kelly e Josh Silver.

Em 2007 é lançado mais um disco oficial intitulado Dead Again. Destaque para The Profit of Doom e September Sun.

Peter Steele morreu em 14 de Abril de 2010, a causa teria sido insuficiência cardíaca. A banda anuncia seu fim com a morte de Peter.

Editado por Kid_Pinho em Set 22 2014, 20h51

Fontes (ver histórico)

Audição do álbum Bloody Kisses, em confronto com os dizeres anteriores, onde citava a utilização da cítara pela primeira vez em Life Is Killing Me, porém , já havia sido utilizada em albuns anteriores.

Todos os textos enviados pelos usuários nesta página estão disponíveis sob a licença Creative Commons Attribution/Share-Alike.
Os textos também estão disponíveis sob a Licença de documentação livre GNU.

Ficha do artista

Gerado a partir de fatos marcados na wiki.

Não existe informação sobre este artista

Você está vendo a versão 8. Veja versões mais antigas, ou discuta esta wiki.

Você também pode ver uma lista de todas as alterações recentes na wiki.