Diferenças entre versões 2 e 3

Version 2, Nov 6 2009, 22h04 Version 3, Nov 7 2009, 22h45
Line 1: Line 1:
The Joy of Nature é o projecto musical do açoriano LC, sucessor de The Joy of Nature and Discipline que publicou o álbum "The Fog that Life Is Haunted By" em 2003 pela editora Reaping Horde, três anos mais tarde reeditado pela editora da Polónia Bunkier Productions. The Joy of Nature é o projecto musical do açoriano LC, sucessor de The Joy of Nature and Discipline que publicou o álbum "The Fog that Life Is Haunted By" em 2003 pela editora Reaping Horde, três anos mais tarde reeditado pela editora da Polónia Bunkier Productions.
 +O som de The Joy of Nature é predominantemente acústico, utilizando por vezes gravações de campo. O seu som tem elementos da música folk, experimental e ambiental num todo coerente. Folk esotérico é uma definição possível.
No Verão de 2006 editou o single em vinilo “The Shepherd’s Tea at 7” pela editora americana Little Somebody Records. Ainda no Natal do mesmo ano, foi feita uma edição limitada a 21 exemplares de “The Shepherd’s Tea” com mais dois temas e novas versões dos temas incluídos no single; esta edição foi acompanhada por um conto inspirado no tradicional irlandês “The Shepherd of Myddvai” e cada disco teve uma capa diferente, consistindo numa pintura original. O disco foi mais tarde editado em mp3 pela britânica Little Somebody Records. No Verão de 2006 editou o single em vinilo “The Shepherd’s Tea at 7” pela editora americana Little Somebody Records. Ainda no Natal do mesmo ano, foi feita uma edição limitada a 21 exemplares de “The Shepherd’s Tea” com mais dois temas e novas versões dos temas incluídos no single; esta edição foi acompanhada por um conto inspirado no tradicional irlandês “The Shepherd of Myddvai” e cada disco teve uma capa diferente, consistindo numa pintura original. O disco foi mais tarde editado em mp3 pela britânica Little Somebody Records.
Line 5: Line 6:
Em 2008 foi editada a primeira parte da trilogia "The Empty Circle" pela editora austríaca Ahnstern com o título "Swirling Lands of Disquiet and Catharsis", e o CD-R limitado a cem exemplares e embalado numa saqueta de malha com uma flor feita a partir de escamas de peixe "aGkaanta, asRti, Parasamgate". Em 2008 foi editada a primeira parte da trilogia "The Empty Circle" pela editora austríaca Ahnstern com o título "Swirling Lands of Disquiet and Catharsis", e o CD-R limitado a cem exemplares e embalado numa saqueta de malha com uma flor feita a partir de escamas de peixe "aGkaanta, asRti, Parasamgate".
-No início de 2009 foi editado um split com novemthree - "Auguries of Innocence/Meandering in Streams of Reflection" e, em Setembro, a segunda parte da trilogia "The Empty Circle" em CD pela Ahnstern. +No início de 2009 foi editado um split com novemthree - "Auguries of Innocence/Meandering in Streams of Reflection" e, em Setembro, a segunda parte da trilogia "The Empty Circle", com o título "Rastos de Sangue e Fragmentos da Tradição", em CD pela Ahnstern.
- +
-O som de The Joy of Nature é predominantemente acústico, utilizando por vezes gravações de campo. O seu som tem elementos da música folk, experimental e ambiental num todo coerente. Folk esotérico é uma definição possível.+
- +
-The Joy of Nature insere-se numa linha de pensamento Tradicional e esotérico, tendo o seu nome sido retirado do tratado hermético-alquímico Turba Philosophorum.+

Sources 2, Nov 6 2009, 22h04 Sources 3, Nov 7 2009, 22h45
Line 1: Line 1:
-Wikipedia+Notícias do artista

Versão atual (version 7, Ago 19 2014, 16h06)

The Joy of Nature é o projecto musical do açoriano LC, sucessor de The Joy of Nature and Discipline que publicou o álbum "The Fog that Life Is Haunted By" em 2003 pela editora Reaping Horde, três anos mais tarde reeditado pela editora da Polónia Bunkier Productions. O som de The Joy of Nature é predominantemente acústico, utilizando por vezes gravações de campo. O seu som tem elementos da música folk, experimental e ambiental num todo coerente. Folk esotérico é uma definição possível. No Verão de 2006 editou o single em vinilo “The Shepherd’s Tea at 7” pela editora americana Little Somebody Records. Ainda no Natal do mesmo ano, foi feita uma edição limitada a 21 exemplares de “The Shepherd’s Tea” com mais dois temas e novas versões dos temas incluídos no single; esta edição foi acompanhada por um conto inspirado no tradicional irlandês “The Shepherd of Myddvai” e cada disco teve uma capa diferente, consistindo numa pintura original. O disco foi mais tarde editado em mp3 pela britânica Little Somebody Records. Em 2008 foi editada a primeira parte da trilogia "The Empty Circle" pela editora austríaca Ahnstern com o título "Swirling Lands of Disquiet and Catharsis", e o CD-R limitado a cem exemplares e embalado numa saqueta de malha com uma flor feita a partir de escamas de peixe "aGkaanta, asRti, Parasamgate". No início de 2009 foi editado um split com novemthree - "Auguries of Innocence/Meandering in Streams of Reflection" e, em Setembro, a segunda parte da trilogia "The Empty Circle", com o título "Rastos de Sangue e Fragmentos da Tradição", em CD pela Ahnstern. Em 2010 saiu a terceira e última parte da trilogia "The Empty Circle", com o título "Anitya", em CD, pela Rage In Eden. Ainda no mesmo ano saiu, em edição limitada, "The dream of the Empty Circle", com faixas gravadas nas sessões da trilogia e que até então haviam ficado inéditas. Nesse mesmo ano, The Joy of Nature tocou ao vivo em Lisboa e Porto num formato mais experimental e editou em CDr "a evasão das fadas" pela Lurker's Realm, disco inicialmente apenas disponível nos concertos. The Joy of Nature regressou em 2012, com um novo álbum em CD, intitulado "My Work Was Not Yet Done", tendo depois editado pelo seu Bandcamp, uma grande antologia com todo o trabalho de The Joy of Nature, Teatro Grotesco e demais projectos paralelos aos dois. Em 2013 é editado o single "A ilha que perdeu o encanto" e em 2014 o mini-álbum "Two Leaves Left".