Biografia

The Creatures é um projeto paralelo criado em 1981 por Siouxsie Sioux e Budgie, ambos membros da banda inglesa Siouxsie and the Banshees.

Siouxsie Sioux (vocal) e Budgie (bateria e percussão) lançaram o primeiro EP do Creatures, Wild Things em 1981, um trabalho com uma sonoridade mais primitiva e baseada no som de percursão, totalmente diferente do som de Siouxsie & The Banshees. A foto erótica da capa do disco, com Siouxsie e Budgie semi-nus embaixo do chuveiro (que foram inspiradas em cenas do filme Psicose, de Alfred Hitchcock) causou polêmica. Uma outra foto apresentava Siouxsie nua embaixo de muitas flores e água, inspirado no quadro Ophelia de John Millais. A faixa título do álbum foi uma regravação de um hit do The Troggs. Músicas como “So Unreal” e “Mad Eyed Screamer” buscaram insipiração no romance “As Esposas de Stephord” (The Stepford Wives) de Ira Levin e personagens conhecidos no Hyde Park, em Londres, respectivamente. O EP alcançou um aceitável 24º lugar nas paradas de sucesso de singles do Reino Unido.

Em 1983, entre o lançamento de dois álbuns do Siouxsie & The Banshees, o de estúdio A Kiss In The Dreamhouse e o ao vivo Nocturne, The Creatures gravou e lançou o seu primeiro álbum, Feast. A banda decidiu determinar onde gravar o álbum aleatoriamente, girando um pino encima de um atlas. O resultado foi o Hawaii, o qual levou a participação do The Lamalani Hula Academy Hawaiian Chanters em algumas músicas. A faixa título, “Inoa ‘Ole”, é a tradução havaina para “No Name”. “Ice House” foi inspiranda em um programa obscuro da televisão. “Dancing on Glass” é baseada em uma música indiana (sons de espelhos quebrando criado por Siouxsie e Budgie dançando com sapatos duros e resistentes em espelhos quebrados). Os singles “Miss the Girl” (que foi inspirado no livro “Crash” de J. G. Ballard e teve um vídeo promocional não-oficial que foi banido, com um set desenhado pela própria banda) e “Right Now” (música de Mel Torme) alcançaram o 21º e 14º lugares na para de sucesso britânica, tornando-se os singles da banda a alcançarem posições mais elevadas nas paradas de sucesso britânicas.



Boomerang:

Após inúmeros projetos dos Banshees (os álbums Nocturne, Hyaena, Tinderbox, Through the Looking Glass e Peepshow), o Creatures decidiu gravar um novo álbum, Boomerang, em um celeiro de pedras localizado em Jerez, Andaluzia, Espanha. Este acabou não figurando nas paradas de sucesso da Inglaterra mas de qualquer forma acabou atingindo a 197º colocação na Billboard 200, apesar de ter sido aclamado pela crítica e considerado extensamente como uma façanha culminante de Siouxsie e de Budgie no The Creatures. O single “Standing There” (que fala sobre os diferentes tipos de abuso de homens com respeito a mulheres) alcançou a 54ª posição nas paras inglesas de singles, enquanto “Fury Eyes” (sobre o romance “In The Eyes Of Mr. Fury”, de Philip Ridley) não figurou em nenhuma parada de sucesso. Atuaram no álbum uma larga escala de músicos para ajudar a dar-lhe uma sensação imensamente exótica.

Segue aqui a explicação de Budgie para a música “Manchild”: “É uma história baseada na Colombia antes do cartel de drogas, fala sobre uma pequena criança envolvida involuntariamente em uma rixa, uma vendeta entre sua vila e outra vila rival. Em uma maneira menor, isso tudo é sobre tráfico de drogas, mas termina com a vila mais forte expurgando toda a população masculina da outra vila até que sobra somente um garoto abandonado chamado Nelsito. Ele queria viver até ter pelo menos 18 anos, mas acabou sendo assassina com um tiro, no caminho da escola.”

“Fruitman” foi de fato um local que eles encontraram durante a gravação. “Simoom” é “vento seco” em árabe e foi escrita sobre o caso de Salman Rushdie.



Após o Final de Siouxsie & The Banshees:

Um ano após o final de Siouxsie & the Banshees em 1996, o EP Wild Things e o álbum Feast foram relançados na compilação A Bestiary Of The Creatures junto com todos os B-sides da época destes trabalhos, o que deixou os fãs extremamente agradecidos.

No começo de 1999, a banda lançou o álbum Anima Animus (que significa “O Homem dentro da Mulher, A Mulher dentro do Homem”). Seu som frio e eletrônico foi uma quebra em relação a atmosfera orgânica presente no álbum Boomerang. Este álbum teve como singles “Sad Cunt”, “2nd Floor”, “Exterminating Angel”, “Say” um tributo a Billy Mackenzie, vocalista do The Associates que se suicidou no começo de 1997), “Prettiest Thing” (que tem um tema similar ao título do álbum). O EP The Eraser Cut ( um anagrama para The Creatures) foi razoavelmente bem.

Em 1999 e 2000, foram lançados dois álbuns ao vivo exclusivos para fã-clubes, Zulu e Sequins In The Sun.

A canção “Another Planet” está presente na trilha sonora do fime Lost In Space e foi radicalmente retrabalhada. “Don’t Go To Sleep Without Me” foi incluída na trilha sonora de A Bruxa de Blair. The Creatures colaborou com Marc Almond na música “Threat Of Love”, disponível em seu álbum Open All Night.

No final de 1999 veio o álbum Hybrids que trás remixes das faixas do álbum “Anima Animus” e do EP “The Eraser Cut”, retrabalhado por Howie B, Paul Thomas, John Roome, Doug Hart & Paul Freegood, Ollie Brown & Sam Britton, The Black Dog, Tony Justice & Danny Endemic, The Beloved, Jonn Jo Key, Tom Stephan e A1 People. Não figurou nas paradas de sucesso. Nenhuma das duas faixas single “Take Mine” ou a faixa ao vivo “Murdering Mouth”, lançadas em Junho e Setembro de 2000. A compilação das músicas que não saíram no Anima Animus a foram lançadas como U.S Retrace 2000 para a felicidade dos fãs. Rocket Ship e Red Wrapping Paper foram lançadas para membros de fã-clubes em 2001.

Siouxsie e Budgie voltaram com o álbum Hai! em 2003, alcançando a 153ª posição no Reino Unido. A gravação começou em menos de 24 horas após os Banshees terem completado a sua turnê de reencontro, Seven Year Itch, quando Budgie começou a realizar uma antiga ambição de trabalhar com Leonard Eto, a base para o álbum tornar-se um espontâneo dueto de bateria protagonizado por ambos. A foto da capa do CD chama-se “The Shinto Bride”, feita por Kimiko Yoshida. O álbum foi gravado no Japão, contudo suas músicas não refletem isto, exceto em títulos como “Godzilla!” e “Imagoro” (“About This Time” em japonês). As revisões feitas pelos críticos foram favoráveis. Este álbum foi relançado nos anos seguintes em formatos especiais. Um álbum instrumental também foi lançado.

O quase-bem-sucedido single “Godzilla!” foi bem promovido e conquistou um respeitável 53º lugar nas paradas britânicas. “Attack Of the Super Vixens” (inspirada no filme SuperVixens, de Russ Meyer) foi lançado durante a turnê realizada para o álbum, e a canção foi eventualmente inclusa nos relançamentos de Hai!.

Editado por rod32lop em Mar 28 2011, 15h31

Todos os textos enviados pelos usuários nesta página estão disponíveis sob a licença Creative Commons Attribution/Share-Alike.
Os textos também estão disponíveis sob a Licença de documentação livre GNU.

Ficha do artista

Gerado a partir de fatos marcados na wiki.

Não existe informação sobre este artista

Você está vendo a versão 4. Veja versões mais antigas, ou discuta esta wiki.

Você também pode ver uma lista de todas as alterações recentes na wiki.

Mais informações

De outras fontes.

Links