Biografia

Frank Anthony “Tony” Iommi (Birmingham, 19 de fevereiro, 1948) é um guitarrista britânico, membro da banda Black Sabbath.

Ele usa elementos do jazz para compor suas músicas e é o único integrante da banda que participou em todos os discos. Ele é considerado um dos melhores guitarristas que ja existiu.

Escolheu a guitarra como seu instrumento na adolescência, tendo sido inspirado por Hank Marvin e The Shadows.

Na sua infância, Tony Iommi era só mais um garoto maltrapilho andando pelas ruas com um grupo de amigos formando a sua gangue, que era uma entre as milhares existentes lá. Foi nessa época que ele conheceu Ozzy Osbourne, que estudava no mesmo colégio que ele, logo os dois criaram uma antipatia um pelo outro e viraram rivais, cada um em gangues diferentes. Porém essa história ainda seria muito diferente.

O tempo passa e lá pelos seus 19 anos, Tony toca em várias bandas de blues como a banda Mythology (essa contava com a participação de Bill Ward que também seria seu companheiro na sua próxima banda) e os Rockin’ Chevrolets, porém sem se destacar mais que seus companheiros de banda. Até que em 1968 após ter saído da banda Mythology, Tony lê no jornal da cidade um pequeno “anúncio” de um vocalista que queria montar uma banda e para melhorar já possuía equipamento próprio (o que era muito raro), ele então fica interessado e resolve responder ao vocalista do jornal. Chegando no endereço indicado, Tony toca na porta e se surpreende, o vocalista era ninguém mais ninguém menos que Ozzy Osbourne, seu velho inimigo do colégio. Divergências de lado, eles resolvem montar uma banda contando também com Bill Ward, Geezer Butler, Jimmy Philips e um cara conhecido apenas como “Acker”, a banda se chamava Polka Tulk.

Acontece que tanto Jimmy como Acker desistem da banda, sendo assim, os outros quatro resolvem continuar com a banda porém sendo chamados de Earth, a formação dessa sim seria definitiva e era Tony na guitarra, Bill na bateria, Geezer no baixo, e Ozzy nos vocais.

Passado um tempo com a Earth, Tony é convidado a ir para o Jethro Tull, agora já sendo conhecido como um bom guitarrista ele grava com o Jethro apenas a música “Song for Jeffrey” no especial de TV, que acabou nunca indo ao ar, chamado Rock’n’Roll Circus da já conhecida banda Rolling Stones.

Tony não continuou no Jethro pois achava que não se encaixava com o padrão da banda, voltando então para o Earth, onde ele se sentia melhor. Pode até parecer burrice essa troca, porém no Earth Tony realmente se destacava, e a banda se encaixava com o que ele queria.

Ainda no ano de 1968 eles descobrem que existe outra banda chamada Earth, então resolvem trocar de nome para Black Sabbath, que era o nome de sua mais nova música e representava o novo rumo que seria tomado por Tony e o resto da banda. Cansados de ficar só no anonimato eles resolvem começar a tocar com o volume no máximo, chamando assim a atenção dos outros para seu trabalho. Tony começa a criar riffs que ficariam conhecidos durante toda a eternidade e fica conhecido também por seus longos solos durante os shows com suas fortes influencias do jazz como Frank Sinatra entre outros, solos que, apesar se serem interessantes acabavam irritando muita gente. A banda consegue então um contrato com a gravadora Vertigo e viram uma das bandas mais amada pelos fans e odiada pela mídia ao mesmo tempo, com letras obscuras e um tipo de som bem mais pesado que o comum na época eles criam um novo estilo de música conhecido hoje como Heavy Metal.

A partir desse ponto a história de Tony no Sabbath não tem fim, ele sempre foi e ainda é o único guitarrista da banda.

No ano de 2000 Tony lança seu primeiro álbum solo intitulado “Iommi”, esse é um álbum sem uma formação certa pois contou com a participação de músicos diferentes em cada música incluindo Dave Grohl, Ozzy Osbourne, Bill Ward, Billy Idol, e muitos outros.

Em 3 de Junho de 2002, juntamente com Ozzy Osbourne, tocou um dos maiores sucessos do Black Sabbath “Paranoid” na frente da rainha britânica, da família real e de 12.000 membros do público no gramado do palácio de Buckingham em um concerto para comemorar o Jubileo dourado da rainha. Começam a correr boatos de que Tony estaria indo gravar um novo álbum solo, agora com Philip Anselmo do Pantera nos vocais, porém isso nunca aconteceu e em 2003 foi anunciado que o próximo álbum de Tony seria com um só vocalista que não teve seu nome divulgado.

Em 2004 é então lançado o seu segundo álbum solo chamado “The 1996 Dep Sessions”, que como diz o título foi originalmente gravado em 1996, e teve uma versão pirata circulando com o nome de “Eighth Star”, que seria uma continuação do álbum “Seventh Star” do Black Sabbath (que era pra ter sido o primeiro álbum solo de Tony, mas na última hora a gravadora mudou para “Black Sabbath com Tony Iommi”), lançado em 1986 com Glenn Hughes nos vocais. No álbum “The 1996 Dep Sessions” Tony conta com a participação de Glen Hughes (que surpresa!) novamente nos vocais e agora também no baixo, Dave Holland na bateria, e Don Airey no teclado.

Apesar de lançar seus álbuns solos Tony não deixou o Sabbath de lado, que agora está com a sua formação original novamente e é a principal atração do festival anual “Ozzfest”, fazendo shows de tirar o fôlego o Sabbath continua vivo com Tony tocando seus riffs clássicos como o de “Paranoid” e o de “Children of the Grave”. O que todos esperam agora é um novo álbum do Sabbath na formação original com músicas inéditas, o que segundo os integrantes do Sabbath, é algo que eles ainda planejam.

A trajetória do guitarrista poderia ter sido encerrada logo na juventude, pois, após sofrer a amputação de partes de alguns dedos da mão direita (Iommi é canhoto) era mais que óbvia a sua dificuldade em continuar tocando guitarra. Mas foi convencido por um amigo a continuar tocando ao mostrá-lo um disco de Django Reinhardt, que tocava de maneira soberba usando apenas os dedos indicador e médio. Iommi passa a usar nas extremidades de seus dedos próteses plásticas, com as quais pode tocar novamente.

A despeito da dificuldade, é considerado um dos melhores guitarristas de rock pesado, influenciando diversos musicos. Lançou três discos em carreira solo, dois deles com o ex-baixista do Deep Purple, Glenn Hughes.

Editado por InuZakk em Jul 7 2008, 20h30

Todos os textos enviados pelos usuários nesta página estão disponíveis sob a licença Creative Commons Attribution/Share-Alike.
Os textos também estão disponíveis sob a Licença de documentação livre GNU.

Ficha do artista

Gerado a partir de fatos marcados na wiki.

Não existe informação sobre este artista

Você está vendo a versão 1. Veja versões mais antigas, ou discuta esta wiki.

Você também pode ver uma lista de todas as alterações recentes na wiki.

Mais informações

De outras fontes.

Links
Membros da banda
Gravadoras
Outras grafias